Testosterona em mulheres não é empoderamento


“Minha dosagem de testosterona veio baixa. Devo ou não repor testosterona?” Essa é uma dúvida comum em mulheres que estão em menopausa, mas também cada vez mais frequente em mulheres saudáveis de 20 a 50 anos. Uma mulher de 40-50 anos precisa realmente usar testosterona? E aquelas em menopausa, tem algum benefício? Vamos tentar esclarecer.

* A mulher produz testosterona nos ovários e nas supra-renais e é normal que essa produção vá reduzindo com o passar dos anos. Isso não significa doença e tampouco deve ser motivo para se pensar em reposição de testosterona. Usar testosterona para “ter os níveis de uma mulher mais jovem” é uma enganação sem nenhum fundamento racional ou científico.

* O exame de testosterona foi feito a partir de estudos em homens, onde melhor funciona (embora ainda com muitas limitações técnicas). O exame não mede com exatidão quando os níveis de testosterona são muito baixos, como obviamente é o caso das mulheres. Isso quer dizer que para mulheres a medida da testosterona não é precisa e é sujeita a erro e a muita variação. Os níveis de testosterona variam com a alimentação, com o horário do dia e com as variações hormonais do ciclo de ovulação e menstrual. Todas essas variáveis interferem no resultado do exame de testosterona, muitas vezes dando ideia de estar baixo demais quando na verdade não está. Da mesma forma, o uso de anticoncepcionais sempre vai alterar os resultados da medida da testosterona. Não há indicação de dosar a testosterona se você está usando anticoncepcional! Vale a pena salientar que dosagens de testosterona na saliva ainda estão em teste e não são confiáveis para diagnóstico.

* É óbvio que uma mulher que receba testosterona vai se sentir melhor, pois está recebendo um hormônio caracteristicamente masculino, altamente anabolizante e estimulante e que costuma ser baixo no seu organismo. Vai torna-la mais ativa, com mais libido e com maior facilidade para ganhar massa muscular. Em contrapartida, os efeitos colaterais vão acontecer, como pele oleosa, acne, queda de cabelo, maior quantidade de pelos corporais, comportamento agressivo, voz masculinizada, aumento do gogó, parada da menstruação, infertilidade, aumento do colesterol ruim e redução do colesterol bom, aumento dos glóbulos vermelhos, hepatite medicamentosa, maior risco de trombose, AVC (isquemia ou derrame), maior risco de arritmia e infarto do coração, maior risco de câncer de mama e útero.

*O potencial de dependência ao uso de testosterona é alto, pois ao parar de usar o hormônio a mulher perde os seus efeitos e tem uma tendência a sempre querer voltar. O problema que é um hormônio masculino e a sua segurança a longo prazo em mulheres não foi testada.

* Em mulheres na menopausa ou que foram submetidas a retirada dos ovários, o uso de qualquer testosterona é considerado fora de bula, ou seja, fora da indicação padrão do produto, pois não estudos de longo -prazo que garantam a sua eficácia e principalmente segurança. O seu uso para aumentar o desejo sexual é questionável. Deve ser discutido individualmente, pesando riscos e benefícios, pois não funciona para todos os casos. Jamais deve se usar em mulheres antes da menopausa.

*Não existe uma dose correta ou segura de testosterona para ser usada em mulheres. Portanto, usar gel, creme ou adesivo não garante que você está usando uma dose baixa. Nem quando é manipulada. O uso dos implantes hormonais (pellets), hoje muito na moda, na minha opinião não são uma boa escolha, pois não há como você controlar a quantidade do hormônio liberado mesmo que quem implante diga que o bastão é em “micro-dose” ou “em dose feminina”. O uso de testosterona injetável em mulheres somente é aceito em terapia de modificação de gênero, com intuito de virilização.

* O termo “bio-idêntico” é uma fachada para sugerir que a testosterona que você está recebendo é mais segura, mais natural, mais pura do que outra determinada marca. Não é verdade. Toda testosterona disponível, seja comercial ou manipulada, tem características muito semelhantes á nossa testosterona natural. Ser “bio-idêntico” não garante nada.

Como escrevi no post sobre uso de testosterona em homens, existe um grande mercado que se beneficia da venda de testosterona, incluindo indústria farmacêutica, farmácias de manipulação, médicos, dentistas e outros profissionais da área de saúde. O argumento que ouvi ontem de que “usar testosterona é empoderar a mulher” me fez refletir muito o quanto os nossos valores e objetivos estão distorcidos. Discordo completamente, pois usar testosterona é fazê-la falsamente parecida com o homem nos seus traços de hormônio. Empoderar a mulher é fortalecer o feminino e jamais o masculino. Empoderar é educar e orientar sem enganar. Daí as decisões são mais honestas.

Fonte: blogdasbemrs.blogspot.com


RECEBA

AS NOVIDADES

POSTS RECENTES

WhatsApp arnaldo ferreira